agenda #ocupararepública junho/2016

photo_2016-06-09_09-02-04O Ocupar a República traz uma programação especial para essa semana com cientista políticoLeonardo Avritzer, professor da UFMG.
Avrizter vem a Belém lançar seu livro Impasses da Democracia no Brasil, por Leonardo Avritzer, na Fox, nesta quinta-feira, às 18h.
Na sexta, fala no Ocupar a República, que acontecerá excepcionalmente no auditório do OAB, às 16h.
‪#‎ocupararepublica‬
‪#‎foratemer‬
‪#‎voltademocracia‬

Anúncios

É GOLPE!

1. Pra começo de conversa, porque os derrotados das urnas querem ocupar o espaço entregue aos vencedores do processo eleitoral pelo verdadeiro soberano: o povo brasileiro. Nas últimas quatro eleições presidenciais, PT e PSDB disputaram a chefia do poder Executivo no segundo turno. E como todos sabem, o PT levou todas. Independente de paixões ideológico-partidárias, ninguém pode negar o que o povo brasileiro vem dizendo aos tucanos desde 2002: não queremos vocês no poder! Não são vocês os escolhidos por nós para governar o Brasil.

2. Tenho dificuldade de identificar o sentimento que me acomete quando leio notícias que José Serra, aquele que o povo brasileiro NÃO escolheu em 2002 e 2010, se articula explicitamente para ocupar um ministério num eventual governo Temer. Não sei se é nojo, revolta ou melancolia.

3. O que fica claro é que DEMOCRACIA não é um valor para os que tentam chegar ao poder sem voto. Para eles, a DEMOCRACIA só interessa quando estão ganhando. Quando está difícil de vencer, não veem nenhum problema em rasgar as regras do jogo para voltar a assumir o tabuleiro. Como diz Falcão, “eu já virei o tabuleiro do WAR quando eu tava perdendo. ISSO, É GOLPE!

4. Toda essa discussão sobre a existência ou não de crime de responsabilidade é balela. Pouquíssimos deputados estão realmente preocupados se as pedaladas fiscais são crime de responsabilidade, e portanto, se há justificativa jurídica para o impeachment.

5. Fica cada dia mais evidente que a oposição percebeu uma chance de ouro de voltar ao poder: depois da derrota que nunca reconheceram em 2014, quando até auditoria das urnas pediram ao TSE (que autorizou e não deu em nada); viram na incompetência do governo Dilma – aliada aos incontáveis escândalos de corrupção e sua alta reprovação popular – um atalho para voltar a governar o povo que não lhe quer no poder.

6. E o pior: eles não estão nem aí pra isso. Não demonstram qualquer constrangimento em cortar o caminho.