Proibir a participação de candidatos com tatuagens em concurso público é inconstitucional

Por maioria, o STF decidiu nesta quarta-feira, 17, que é inconstitucional a proibição de tatuagens a candidatos a cargo público contida em editais de concurso público. Os ministros fixaram a seguinte tese em repercussão geral:

“Editais de concurso público não podem estabelecer restrições a pessoas com tatuagens, salvo situações excepcionais, em razão de conteúdo que viole valores constitucionais.”

O plenário seguiu voto do relator, ministro Luiz Fux, para quem as restrições estatais ao exercício de funções públicas originadas do uso de tatuagem devem ser excepcionais, “na medida em que implicam numa interferência do Poder Público em direitos fundamentais diretamente relacionados ao modo de ser de um ser humano e como ele desenvolve a sua personalidade”.

Em seu voto, o ministro Fux também pontuou que os requisitos para ingresso em cargo, emprego ou função pública devem ter menção expressa em lei.

“Em respeito ao artigo 37, inciso I, da CF, que expressamente impõe que os cargos e empregos em funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos na lei, revela-se inconstitucional toda e qualquer restrição a requisito estabelecido em editais, regulamentos e portarias se não houver lei dispondo pela matéria. Um policial não pode exteriorizar sinais corporais, como tatuagens, que conflitem com esta ratio, como, a título de ilustração, tatuagens de palhaços, que significam, no ambiente marginal, o criminoso que promove o assassinato de policiais.”

Para o ministro Fux, a tatuagem, desde que não expresse ideologias terroristas, extremistas, contrárias às instituições democráticas, que incitem violência, criminalidade, ou incentive a discriminação, os preconceitos de raça e sexo, ou qualquer outro preconceito, é perfeitamente compatível com o exercício de qualquer cargo público.

A máxima de que cada um é feliz a sua maneira deve ser preservada e incentivada em grau máximo pelo Estado. Sendo de destaque o papel que incumbe ao Poder Judiciário nessa missão. Por outro lado, a tatuagem reveladora de um simbolismo ilícito, incompatível com o desempenho da função pública, pode revelar-se inaceitável.”

Caso concreto

A questão chegou ao STF no RE 898.450, interposto por um candidato ao cargo de soldado da Polícia Militar de São Paulo contra acórdão do TJ bandeirante que reformou decisão de primeira instância e manteve sua desclassificação do concurso. No caso dos autos, o candidato obteve, em primeira instância, decisão favorável em mandado de segurança impetrado contra sua exclusão do concurso público para o preenchimento de vagas de soldado de 2ª classe depois que, em exame médico, foi constatado que possui uma tatuagem em sua perna direita que estaria em desacordo com as normas do edital.

O Estado recorreu alegando que o edital estabeleceu, de forma objetiva, parâmetros para admissão de tatuagens, mas que o candidato não se enquadrava nessas normas. O TJ/SP, então, destacou que o edital é a lei do concurso e a restrição em relação à tatuagem encontra-se expressamente prevista. Assim, ao se inscreveram no processo seletivo, os candidatos teriam aceitado as regras. A Corte salientou ainda que, quem faz tatuagem tem ciência de que estará sujeito a esse tipo de limitações. Acrescenta que a disciplina militar engloba também o respeito às regras e o descumprimento da proibição a tatuagens não seria um bom início na carreira. O plenário, no entanto, deu provimento ao RE do candidato contra a decisão do TJ/SP. Ficou vencido o ministro Marco Aurélio, que entendeu não haver inconstitucionalidade no acórdão do TJ.

Veja a íntegra do voto do ministro Luiz Fux.

Publicado em http://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI244126,31047-Proibicao+de+tatuagem+para+candidatos+a+cargo+publico+e

d2.0: A Saúde garante a dignidade do povo brasileiro?

Este texto é resultado do projeto Disciplina 2.0, não expressa a opinião do editor do blog e é de inteira responsabilidade do autor identificado no artigo.

Por Ana Priscila Pinto Corrêa Valentim dos Santos Miranda

Acadêmicos do 4º semestre da Faculdade de Direito da Faci DeVry

Será que a saúde como direito de todos e dever do Estado está, realmente, garantindo a dignidade humana de toda a população brasileira? A resposta para essa pergunta não é muito fácil de ser respondida. Principalmente, se for levado em consideração a complexidade dos serviços de saúde oferecidos no País, como forma de garantir medidas que visem a redução do risco de doenças, por meio de políticas sociais e econômicas do governo. O acesso universal, igualitário e digno da saúde a todo povo brasileiro, está longe de ser uma novela de horário nobre da televisão, para ser mais uma mera obra de ficção, que nada tem haver com a realidade social vivida pela população em seu dia a dia.

Continuar lendo “d2.0: A Saúde garante a dignidade do povo brasileiro?”

Ato dos juristas pela Legalidae e Democracia

Gostaria de convidar a todos os leitores do blog, em especial os meus alunos, para ir ao evento ouvir o que temos a dizer.

A Constituição de 1988 corre sério risco! Impeachment é um instituto político-jurídico que só pode ser legitimamente usado em caso de crime de responsabilidade previsto no art. 85 do texto constitucional. Sem crime de responsabilidade, não é impeachment, é GOLPE PARLAMENTAR!

Para esclarecer esses argumentos e defender o estado democrático de direito, juristas paraenses se reúnem HOJE, ÀS 17H, no Auditório do ICJ, na UFPA, no ATO DOS JURISTAS PELA LEGALIDADE E DEMOCRACIA!

serviço:

O que: Ato dos Juristas pela Legalidade e Democracia!

Quando: hoje, quinta-feira, 14 de abril, às 17h.

Onde: no Auditório do Instituto de Ciências Jurídicas (ICJ), da UFPA (Campus Guamá)

Quem vai falar:

Prof. Dr. Antônio Maués (Constitucionalismo)
Prof. Dr. Ivanilson Raiol (Processo Penal)
Jarbas Vasconcelos (OAB)
Isabele Leite (Levante Popular da Juventude)

legalidade e democracia

Morogate

O que mais me preocupa com a atual situação é o papel que o Judiciário assumiu nesse momento na delicada conjuntura nacional. Embora seja corrente o discurso da “solidez das instituições brasileiras”, não estou convencido de que ela realmente exista. E o fato que confirmou minha impressão foi o Morogate: grampo de Moro sobre Dilma.
O evento é duplamente grave. Ou pra ser mais preciso, viola a Constituição duas vezes. Primeiro, quando Moro intercepta uma ligação da Presidenta da República. Segundo, quando Moro decide publicar as conversas interceptadas.
A Constituição de 88 assegura a inviolabilidade das comunicações a todos os brasileiros e estrangeiros residentes no Brasil. Isso inclui você, eu e a senhora Dilma Roussef. Essa garantia, contudo, não é absoluta. Pode ser relativizada por decisão judicial para fins de investigação criminal. Inclusive as comunicações da Presidenta da República podem ser relativizadas no curso de uma investigação, desde que e somente se forem autorizadas por autoridade judicial competente. E a Constituição não deixa espaço para dúvida quanto à autoridade judicial competente para decidir sobre os atos do Presidente da República, inclusive para relativizar os direitos e garantias fundamentais da pessoa que ocupa do cargo de Chefe do Poder Executivo Federal. Compete única e exclusivamente ao Supremo Tribunal Federal. Ou seja, a única autoridade judicial capaz de relativizar a inviolabilidade das comunicações do Presidente da República é o Supremo Tribunal Federal. Não posso consigo imaginar que o juiz Moro desconheça o conteúdo do art. 102, I, b, da Constituição Federal.
A segunda violação de Moro, igualmente grave, foi a publicação da conversa de Dilma. Primeiro, do ponto de vista institucional, me preocupa a fragilidade da segurança do Palácio do Planalto. A Presidente da República não devia falar, em nenhuma hipótese, em um telefone não criptografado. Trata-se de uma questão de segurança nacional. E não venha dizer que sou adepta de uma teoria da conspiração. Lembre que Snowden divulgou em 2013 que a NSA estava monitorando a Presidente da República Brasileira, isto é, a agencia de espionagem do Obama estava escutando a Dilma. Parece roteiro de filme do 007 mas é a realidade.
Do ponto de vista jurídico, parte mais escandalosa da atuação de Moro se deu com divulgação das conversas da Presidente. Primeiro, porque o art. 8ª da Lei 9296, de 1998, determina o sigilo das diligência, gravações e transcrições das interceptações telefônicas. Segundo, porque a justificativa apresentada pelo juiz para violar a lei é, no mínimo, demagoga. Em decisão judicial, Moro argumenta que publicou os áudios porque os “governados tem direito de saber o que fazem seus governantes.” Ora, pra começo de conversa, Moro parte de uma premissa falsa. Mesmo os governantes tem direito à privacidade, ou seja, tem direito a uma vida privada, protegida e isolada do espaço público, e isso inclui possibilidade de falar ao telefone sem ser ouvida. Só admite-se exceção a essa regra, caso o governante seja investigado criminalmente, coisa que Dilma não é. Se não fosse assim, todos teríamos direito de saber com quem Moro conversa. Para manter a coerência e levar às últimas consequências seu postulado de transparência, Moro deveria abrir o sigilo das suas próprias comunicações e de seu gabinete. Afinal, “temos direito de saber” quem faz e como ocorrem os vazamentos seletivos da Operação Lava Jato para a imprensa. Mas isso, jamais saberemos.

situação carcerária e dignidade da pessoa humana

O Supremo Tribunal Federal decidiu recentemente que o Judiciário pode obrigar o Executivo a realizar obras em presídios para garantir a integridade física e a dignidade da pessoa humana dos apenados.

A notícia é do ConJur.

O plenário deu provimento a RExt interposto pelo MP/RS contra acórdão do TJ gaúcho que entendeu ser descabida ação civil pública para determinar ao poder Executivo a realização de obras em presídio, mesmo pleiteadas a título de direito constitucional do preso, por não caber ao poder Judiciário imiscuir-se em matéria reservada à Administração.

Os ministros acompanharam o voto do relator, Ricardo Lewandowski.

No recurso, o MP alegou que o dever de assegurar a integridade física e moral dos presos não depende de prévia dotação orçamentária, uma vez que se trata de direito de natureza fundamental de aplicabilidade imediata. Para o parquet, questões de ordem orçamentária não podem impedir ou postergar políticas públicas dirigidas à implementação de direitos de natureza fundamental.

Em seu voto, Lewandowski relatou a situação das penitenciárias brasileiras, que encarceram atualmente mais de 600 mil detentos, revelando situações subumanas, violadoras do principio constitucional da dignidade da pessoa humana, além de revoltas, conflitos, estupros e até homicídios, incluindo casos de decapitação. No caso do Albergue de Uruguaiana, discutido no recurso em julgamento, o presidente revelou que um preso chegou a morrer eletrocutado, em consequência das péssimas condições do estabelecimento. O próprio TJ/RS, lembrou o presidente da Corte, apesar de reformar a decisão do juiz de primeiro grau, reconheceu a situação degradante dos presos.

O ministro ressaltou que a sujeição dos presos às condições degradantes mostra com “clareza meridiana” que o Estado hoje está os sujeitando “a uma pena que ultrapassa a mera pena privativa de liberdade prevista na sentença, porquanto acresce a ela um sofrimento físico, psicológico e moral, o qual além de atentar contra toda noção que se possa ter de respeito a dignidade da pessoa humana, retira da sanção qualquer potencial de ressocialização.” A intervenção do Judiciário, nesses casos, de acordo com ele, também tem a função de impedir esse excesso de execução.

Para Lewandowski, o valor da dignidade da pessoa humana no sistema constitucional “permite sim a intervenção judicial para que seu conteúdo mínimo seja assegurado aos jurisdicionados em qualquer situação em que estes se encontram.” O presidente disse ainda que não se pode falar em desrespeito ao princípio da separação do Poderes, e citou o princípio da inafastabilidade da jurisdição, uma das garantias basilares para efetivação dos direitos fundamentais. O dispositivo constitucional (artigo 5º, inciso XXXV) diz que a lei não subtrairá à apreciação do Poder Judiciário qualquer lesão ou ameaça de lesão a direito. Esse postulado, conforme ressaltou, é um dos pilares do Estado Democrático de Direito.

Lewandowski apontou que o tratamento dispensado aos detentos no sistema prisional brasileiro rompe com o dogma universal “segundo o qual eles conservam todos os direitos não afetados pelo cerceamento de sua liberdade de ir e vir, garantia expressa com todas as letras no artigo 3º da nossa lei de execução pena.” Para ele, não há falta de verba, “há falta de vontade política” na questão.

Acompanhando o relator, o ministro Edson Fachin salientou que o magistrado não pode, nem pretende, substituir o gestor público, mas deve compelir através de medidas eficazes – que a luz das escolhas políticas do gestor público – seja cumprindo o programa constitucional que é vinculante.

No mesmo sentido, o ministro Luís Roberto Barroso afirmou que o Judiciário deve interferir para determinar a realização de obras em presídios cuja situação seja atentatória a dignidade da pessoa humana. Barroso pontuou que a reserva do possível não pode ser um artifício para que o Estado deixe de cumprir situações nas quais ele tem o dever jurídico evidente de atuar. Segundo ele, o Estado tem que alocar recursos escassos observando as prioridades impostas na Constituição. “Preservar os aspectos mínimos da dignidade da pessoa humana não é uma escolha política, é uma imposição da Constituição, e que não está sujeita a reserva do possível.”

A ministra Rosa Weber também acompanhou o relator. Para ela, quando estão em jogo direitos fundamentais, e diante de uma omissão injustificada do Administrador Público, “pode sim o poder judiciário impor a implementação de politicas públicas que são asseguradas pela nossa CF.”

Ao votar, a ministra Cármen Lúcia lembrou que algumas políticas públicas não “dão” voto, como é o caso das que favorecem as penitenciárias. “Na verdade, não se investe nisso por vontade política porque a política fica impregnada na possibilidade de depois contar o que fez para angariar votos.”

O ministro Gilmar Mendes asseverou que o STF não estava determinando a formulação de uma politica pública, estava “determinando que atos administrativos e atos concretos sejam tomados para corrigir excessos inclusive no que diz respeito ao próprio excesso de execução.”

Processo relacionado: RE 592581
Veja a íntegra do voto do relator.

desmatamento ilegal na amazônia

O Profissão Repórter fez uma bela cobertura do assalto diário que o Pará sofre pela indústria internacional de jóias e madeira. O trabalho do IBAMA é visto pelos locais como negativo, afinal, acaba com a única fonte de renda dessa parte do Brasil. Em alguns casos, é o garimpo ou nada. O modus operandi dos “empresários” é de quadrilha, mas eles também são donos do poder local. Tipo Don Corleone, saca?

http://g1.globo.com/profissao-reporter/noticia/2015/07/para-desmata-o-equivalente-cinco-campos-de-futebol-todos-os-dias.html